Desde quando João e Maria são caçadores de bruxas?

Quando eu era bem pequeno, meus pais me deram de presente livros contedo histórias, daquelas clássicas antigas, como da Cinderela, e do João e o Pé de Feijão, mas a que sempre me chamou muita atenção era a de João e Maria.

Esta contava que os dois irmãos foram para a floresta, conforme o pedido da mãe, para buscar gravetos que pudessem ser usados como lenha na lareira da casa, e durante a busca por gravetos, as crianças foram deixando migalhas de pão pelo caminho, para que pudessem saber o trajeto de volta para a casa.

Mas quando terminaram de pegar os gravetos, ao voltar por uma parte do caminho, viram que as migalhas haviam sido comidas pelos pássaros, e então os pequenos encontravam-se perdidos pela floresta. Durante sua procura pelo caminho de volta, as crianças encontram uma casa feita de doces, em que, lá dentro, uma velhinha simpática os convidou e entrar e comer, para que pudessem saciar a fome e, assim, voltassem a procurar seu caminho para casa.

Todavia, a amável senhora se revela uma bruxa muito má, que prende João e Maria numa cela e os obriga a comer muito, para que ela pudesse, posteriormente, os assar e comer. Porém, quando tiveram a chance, conseguiram sair da gaiola que os prendia e empurraram a terrível bruxa para dentro do forno que estava sendo aquecido para aquela “refeição especial”, tendo ela morrido queimada.

De volta a floresta, as crianças continuaram vagando, até que foram encontradas pelo pai delas, que lhes contou que a mãe havia morrido enquanto os pequeninos estavam perdidos.

Este é exatamente o enredo inicial para o desenrolar do filme “João e Maria: Caçadores de Bruxas”, de 2013, com a participação dos atores Jeremy Renner (sim, o Gavião Arqueiro de “Vingadores”) e Gemma Arterton (a princesa Tamina, de “Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo”) como João e Maria. A única diferença do enredo do filme para a história original é que os pais o mandam para a floresta para fugirem de uma situação de conflito que se desenvolve no início do filme, e que justifica a morte da mãe das crianças, logo do começo.

Daí para a frente, o longa é um show de horrores digno de qualquer filme B americano. Apesar dos efeitos especiais muito bem executados, as coreografias são exageradas, a atriz que faz a bruxa principal, Famke Janssen (a linda Jean Grey, dos filmes dos X-Men) sofre para tentar sustentar o filme com uma atuação meio over. E, claro, João e Maria são super-heróis invencíveis, quase semideuses.

Enfim, um enredo infantil, uma história fraca, bons atores mal aproveitados, e um show de efeitos especiais sem objetivo fazem desta uma história dispensável, apesar da premissa ser promissora. Uma pena que não foi bem utilizada.

Talvez um filme para Sessão da Tarde.

4,5 Nozes

Durante muito tempo, essa história infantil me fez olhar meio de lado para as florestas que haviam em volta das casas que visitei durante a minha infância. Nunca se sabe quando vai haver alguém espreitando, aguardando, ansioso para poder te capturar e te comer… Não, espera…

Por Marcos Moreira: Que casou com uma bruxinha bonitinha da vassoura de capim.