He-Man e os Mestres do Universo

A festa do meu aniversário de cinco anos foi um dos eventos de que mais me lembro na vida.

Primeiro, porque eu estava sem os dentes da frente, que haviam caído alguns dias antes, o que não afetou em nada o meu ego, pois desde aquela época sempre fui uma pessoa simpática e sociável. Sabe aquela criança que, quando você aponta uma câmera e fala o clássico “diga xis!”, ela não se priva do prazer de dar um sorriso daqueles que realmente demonstra alegria? Então, eu era bobo assim.

Segundo, porque meus parentes me deram uma das maiores felicidades da minha vida, fazendo uma festa temática, com o meu personagem de desenhos animados favorito, na época: He-Man.He-Man e os Mestres do Universo foi um desenho animado que foi lançado em 1983, com duas temporadas de 65 capítulos cada, fazendo com que, oficialmente, sua duração na televisão americana só fosse até 1985. Porém, eu não me cansei de ver esse desenho nas eternas reprises que passavam no Xou da Xuxa, durante toda a década de 1980.

He-Man conta a história do príncipe Adam, filho do rei de Etérnia, reino que é ameaçado pelo maldoso Esqueleto, vilão com cara de caveira, que tem lacaios tão exóticos quanto ele, como uma bruxa, um homem-fera, e um ser meio humano, meio anfíbio. Diante da ameaça do mal, Adam recebe o chamado da Feiticeira, maga que o leva até o Castelo de Greyskull, onde ele recebe uma espada mágica, que o transforma no herói He-Man, dando-lhe a força extraordinária e a coragem para enfrentar Esqueleto e sua corja.

Os únicos personagens da trama que sabem que He-Man é o príncipe Adam é o pequeno Gorpo, um ser mágico de uma espécie de duendes daquele reino, que se junta a Adam/He-Man para ajudá-lo, pois o domínio de Etérnia pelo Esqueleto também viria a afetar sua espécie, além do Mentor – mestre das armas e general do exército de Etérnia – e da própria Feiticeira, que foi quem o apresentou o castelo e a espada que lhe dão poder.

O mais curioso deste desenho é que, no final de quase todos os capítulos, um dos personagens quebrava a “quarta parede”, falando com os espectadores sobre uma lição de moral aprendida através dos atos dos personagens durante o episódio. Isso demonstra que não havia apenas uma intenção de entreter, mas também de ensinar.

Depois de adulto, vim a saber, que He-Man originou-se de uma produção de figuras de ação do Conan, que seria vendida com o objetivo de lançar um desenho deste personagem na televisão, mas como o universo de Conan envolvia muita sexualidade e violência, depois do lançamento dos brinquedos, acharam melhor fazer um seriado mais infantil, o que levou a criação de toda a mitologia de He-Man e os Mestres do Universo.


8 Nozes

Apesar de toda a nostalgia, e de ter conhecido melhor o herói da minha infância, a memória mais forte que tenho daquela época é a foto, que a minha mãe ainda deve ter guardada, daquele garoto desdentado, abrindo um sorrisão na frente de uma imagem do He-Man sentado em cima do Gato Guerreiro, plenamente feliz por ter tido de presente a festa de aniversário mais legal que um garoto de cinco anos poderia ter.

Por Marcos Moreira: que era uma criança muito feliz, e já sabia.