Noz no fim do mundo

Na minha infância, minha família tinha uma ligação muito grande com a religião. Íamos à missa nos domingos e fazíamos aulas de religião na escola, principalmente porque eu era matriculado numa escola católica, em que o diretor era também padre da igreja anexa à instituição.

Já na adolescência, quando fui fazer meu ensino médio numa escola técnica mais próxima do centro da cidade, conheci outras culturas e outras religiões, o que me fez desapegar do catolicismo, e posteriormente da religião em si.

De qualquer forma, seja pelo apocalipse ou por algum cataclismo natural, ainda acredito que o mundo possa vir a acabar. Mesmo que saiba que não vai ser enquanto eu estiver vivo, ainda vai demorar muito.

Mas bem que poderia ser da forma em que o caríssimo nerd, professor e escritor Eduardo Spohr escreveu, no empolgante livro “A Batalha do Apocalipse”.

bat apocalips

Este livro, lançado em 2007, conta a história do anjo renegado Ablon, o primeiro general da casta dos querubins, e sua busca por vingança e pelo restabelecimento da harmonia entre o paraíso e a terra, desde o início da história humana conhecida até seu fim.

Ablon foi expulso do paraíso, por ter dado início a uma revolta contra o poderoso Miguel, o primeiro arcanjo, que inicialmente foi designado por Deus para guardar seu descanso durante o sétimo dia, mas que começou a gerar a fúria de alguns celestes por dar à humanidade um destino diferente do determinado por Yahweh, guiado pelo ódio pelos seres humanos, que o arcanjo considera indignos de herdar a Terra.

O livro é muito legal, tanto pelas referências históricas quanto pela descrição dos locais por onde Ablon passa para realizar sua tarefa, que são feitas de forma a serem fiéis às reais, mas com aquele “quê” de fantasia, que leva o leitor a não largar a leitura enquanto não chega ao fim (o fim mesmo!).

Que bom seria ter a certeza de que estamos protegidos do apocalipse por um ser tão poderoso e devotado à humanidade como o renegado Ablon.

95-nozes

9,5 nozes

Por Marcos Moreira: que não acredita em Deus, e tranca seu carro.