Noz também envelhecemos

Nessa semana que passou, completei mais um dia do meu nome. Assim como meu sobrinho, o Fabrício, que o Fábio já homenageou aqui.

Ver o meu sobrinho completar o primeiro ano de vida dele, tão próximo do meu aniversário, com o meu relógio adiantado cerca de 31 anos em relação ao dele, coloca as coisas numa perspectiva maior, e também explicita que o tempo, lei inexorável, nos alcança sem que nos demos conta. Só percebemos numa situação como essa.

Mas o meu irmão, moleque que só ele, aproveitou a oportunidade para fazer da festa do Fabrício uma festa também nossa, e dar a oportunidade de voltarmos um pouco no tempo, nem que seja em espírito, e podermos brincar feito crianças.

Mas houve um caso que surpreendeu o mundo, em que uma pessoa realmente inverteu esse ponto de vista que eu estou explicando aqui: “O Curioso Caso de Benjamin Button”.

Benjamin Button

Este filme, lançado em 2009 aqui no Brasil, tem as atuações muito especiais do Brad Pitt, que para mim está marcado pelo vampiro Louis, de “Entrevista com o Vampiro”, e da eterna elfa Galadriel, Cate Blanchett.

O longa revela a história de Benjamin Button, uma pessoa que nasceu com o corpo de um velho, e durante sua vida, foi rejuvenescendo. Ele passou por todas as fases da vida de uma pessoa normal, mas para ele, a vida meio que aconteceu ao contrário, pois o tempo foi lhe renovando a vitalidade.

Durante a sua vida, cheia de aventuras, contadas durante a trama, ele também encontra o amor, de uma forma aparentemente normal, mas conciliado de uma forma muito própria a sua condição.

É um bom filme, com efeitos impressionantes, que não seriam nada se não fosse a dedicação dos atores em fornecer um belo espetáculo aos espectadores.

80-nozes

8 nozes.

Gostaria de ser como o Sr. Button, mas talvez uma vida como a dele não traria a mesma experiência de assistir à “passagem do bastão” como estou vendo agora, com o Fabrício.

Por Marcos Moreira: que queria ser pra sempre jovem, mas sem colante verde nem pó de pirilimpimpim.