SNN #169 – Stranger Things

Guerreiros, em guarda!

Nesta missão, Marcos Moreira (@marvincosmo), Rafael Motta (@RalfMotta), Thais Freitas (@ThaisdF17) e Clarisse Machado (@clamlemos) e Fábio Moreira (@facosmo) vão inverter o mundo com as paradas sinistras e os bagulhos bizarros que a Netflix trouxe para você, eu e todo mundo se emocionar junto! Monstros, paranormalidade e muita nostalgia!

Para fazer o download da nossa missão ou ouvi-la em outra aba do seu navegador, basta clicar no link abaixo:

SNN #169 – Stranger Things

Aproveite para ouvir a missão de Interestelar, que a gente mencionou neste episódio:

SNN #109 – Interestelar

Se quiser ter o nosso podcast no seu app de podcasts ou agregador favorito, você pode assinar o nosso Feed, ou então, encontrar o Sabre Na Noz na iTunes Store!

Você também pode mandar a sua mensagem, de texto ou voz, para o nosso Whatsapp! O número é: (21) 99569-0065

Conte para nós se você pretende ver esta série, e, se já viu, o que você curtiu? O que a gente deixou de falar? Qual a sua opinião sobre tudo que a gente falou? Deixe o seu comentário aqui no post, ou mande o seu e-mail para sabrenanoz@sabrenanoz.com.br.

O Sabre Na Noz também pode ser encontrado no Facebook, Twitter, Instagram, Skoob, Filmow, Tumblr ou no Google Plus!

Agradecimentos especiais ao Rafael Motta pela vitrine!

Continuem a postos para mais missões!

  • Edson Oliveira

    Gostaria de corrigir uma opinião (se possível) de vocês: vocês chamaram a Winona Ryder de “musa dos anos 80”, mas o primeiro filme dela é de 1986, o primeiro sucesso de 1988 (Os Fantasmas se Divertem), mas ela só se consagrou em 1990, com Edward Mãos de Tesoura, ou seja, ela é musa dos anos noventa!

    Mas sabem quem já era modinha nos anos 80? Mathew Modine, embora seu nome não esteja ligado a nenhum sucesso estrondoso. Mas, Madonna teve uma música como parte da trilha de Vision Quest, acho que aqui ficou com o título de “Em Busca da Vitória”.

    Quanto à série, gostei bastante, não apenas pelas referências, mas pelo desenvolvimento.

    Minha teoria sobre o mundo invertido: ele é um proto-mundo, “montado” a partir das memórias de quem entra lá. Por isso, nós vemos a casa do Will e o seu esconderijo, e poucas outras coisas. Lembrem-se que, quando o xerife passou pelo portal, ele viu o ursinho de pelúcia de sua filha.